terça-feira, 27 de setembro de 2016

O revés de um parto

Arrancaram mais um pedaço de mim. A capacidade do ser humano - e minha também - de se reerguer, de acreditar, de manter as esperanças, é algo que nunca vai deixar de me surpreender. Mas acabou. Não adianta mais me iludir. Acabou. Talvez, se eu fizesse 15 FIVs como a moça do programa da TV, eu pudesse conseguir. Mas já foram cinco e minhas condições emocionais se esgotaram - sem falar nas financeiras. O que eu vou fazer? Deixar minha vida em suspenso todo mês pro resto dos meus dias? Viver em função da minha menstruação - torcendo para que não venha ou para que venha logo para dar início a um novo ciclo? Me endividar mais até perder de vista?

De um dia pro outro tudo muda. Se ontem ainda dava para enxergar o copo meio cheio, hoje ele se esvaziou quebrando-se em mil cacos de vidro e espalhando-se em lágrimas. 

Quando tocou o telefone, o tal do número desconhecido, eu estava no meio de uma reunião. Poderia ter pedido licença e atendido, mas um pressentimento me fez ignorar a ligação - fosse uma má notícia, com que cara eu ia voltar pra reunião? Deixaram um recado na caixa postal e eu retornei, respirando fundo de tanto nervoso, trancada na cabine do banheiro. A embriologista então disse: o embrião não evoluiu de ontem pra hoje, não cresceu nada, não é um bom embrião, não teria se desenvolvido no seu útero, não adianta congelar, não vale a pena fazer a biópsia. Não, não, não, milhões de nãos. De novo.

Trancada na cabine do banheiro da empresa eu chorei, agradeci o retorno e liguei pro marido. E quis ir embora pra minha casa, mas não fui. Respirei fundo e tentei encarar o resto da jornada de trabalho. Já não vim vários dias na semana passada, não queria deixar as pessoas especulando mais - porque já estão especulando inclusive que eu estaria grávida, como disse minha estagiária. E estou o contrário disso.

Recusei convite pro almoço e fui almoçar sozinha. Mas na fila encontrei uma colega e foi impossível dizer que não queria companhia. Ela percebeu e disse que eu "não estava no meu normal". Fingi que estava tudo bem, mas estava na minha cara.

Está na minha cara há quatro anos. Eu sigo fingindo, sorrindo amarelo, desinteressada em tudo e em todos, me reconhecendo cada vez menos em mim. Talvez isso esteja me deixando doente. A cada negativo morre uma coisa em mim. Queria ter forças pra pensar positivo, mas não consigo, simplesmente não consigo.

26 comentários:

  1. Sinto muito flor =(
    Te entendo perfeitamente oq vc está sentindo nesse momento.Essa espera é agoniante e extremamente dolorosa.As vezes penso em desistir mais não sei de onde tiro forças para recomeçar a cada ciclo.Não é fácil!

    ResponderExcluir
  2. Sinto mto
    Reconheço essa dor...claro nao passei por todo processo de uma fiv ...Mas sei como é sentir as forças ruirem
    Deus te abençoe
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Querida, sei como se sente. No meu caso, há menos tempo, mas faz 1 ano e meio que vivo isso. Que passo meses esperando a M não vir, que choro sempre que vem, que questiono Deus porque isso é tão simples pra maioria das pessoas e não pra mim. Não imagino continuar uma vida toda dessa forma e entendo seu sofrimento.
    Mas como já te disse antes, busque alternativas. Você será mãe, eu e Deus sabemos disso. Um beijo bem grande e um abraço apertado com mto carinho.

    www.eontemeuchorei.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Querida Amiga,
    Entendo e me identifico com sua dor.
    Estou aqui para o que precisar.
    No que eu puder ajudar, mesmo de longe, estou a disposição.
    blog.enquantomeubebenaovem@gmail.com
    Um abraço bem forte!

    ResponderExcluir
  5. Minha amiga,sinto muitíssimo. Entendo perfeitamente a dor que está sentindo. Desejo que Deus conforte seu coração.
    Beijos carinhosos
    Ptt (Fiv-Amadurecimento da Alma)
    http://fivamadurecimentodaalma.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está difícil encontrar conforto, mas o tempo se encarregará disso. Obrigada pelo carinho. Bjs

      Excluir
  6. Te entendo. Se quiser desabafar estou aqui para te ouvir.
    Bjo no coração.

    ResponderExcluir
  7. Puxa linda! eu acredito que deve ser muito difícil... Eu estou adiando a FiV porque tenho medo da minha reação se der negativo. Força pra começar pensar em alternativas, você não aceita a ovodoação? Você vai ver a barriga crescer e tudo mais! Para meu caso (que é marido) é estrado pq ele fica como não tivesse participando em nada no processo. E as pessoas de fora não precisa saber de detalhes. Então pensa em novas possibilidades!... isso vai te dar forças!! Eu sempre tenho plano A B C... isso que me mantém forte...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Andie. Sim, estamos pensando em alternativas. Mas não é fácil.

      Excluir
  8. Sinto muito mesmo por você. Não passei pela metade da matade das coisas que você passou, e antes mesmo de saber se teria sucesso ou não na minha primeira FIV eu já havia desistido, já determinei que não passaria por aquilo tudo outra vez. Tanto decidi que resolvi me preparar para viver sem esse sonho... mas como? Encontrei um livro que vale muito mas muito a pena ler. O título é "Inconcebível". Vou colocar o link da Saraiva, mas você pode encontrar usados em sebos ou na estante virtual. Se você tiver uma caixa postal eu posso te enviar o meu sem custo. O mínimo que eu poderia fazer por vc que me ajudou com sua generosidade em compartilhar sua luta e me encorajar tanto nos momentos difíceis.
    Um beijo fique com Deus e que ele ilumine o seu coração com muita paz.
    http://www.saraiva.com.br/inconcebivel-3047230.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Munira, muito obrigada pelo carinho e pelas palavras. E obrigada pela indicação do livro, vou procurá-lo. Caso não encontre, te falo. E fico feliz de ter podido te ajudar em alguns momentos. Beijos

      Excluir
  9. Te conheci hoje, num dos piores dias, mas ja aprendi muito com vc, e eu garanto que pelo pouco q vi, vc eh uma guerreira, abençoada, e que abre sua história, para que possamos crescer e aprender com ela... Não se deixa abater, voce é uma vitoriosa pela garra q tem!!.. quero que Deus te abençoe muito!!

    Sou nova por aqui, comecei meu blog essa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Barbara! Depois do último baque precisei dar um tempo. Ainda não sei se vou voltar com a mesma frequência a escrever, mas vou acompanhar você. Beijos e obrigada pela força.

      Excluir
  10. Força amiga, respire fundo... E não desista!

    ResponderExcluir
  11. Querida, meu coração está partido aqui também.
    Se você quiser um conselho, viva seu luto, seu tempo, cate seus caquinhos, lamba suas feridas, permita-se viver a dor no seu tempo e no tempo dela. Se não quiser conselho, fica só o meu abraço apertado e muito carinhoso.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Quando li seu post, não soube o que comentar. Na verdade continuo sem saber. Quando a gente se envolve em uma história, o luto passa a ser um pouco nosso também. Não exija de você força, alternativas ou planos nesse momento. Agora é hora de juntar os caquinhos.

    Sei que não posso fazer muito nesse momento, mas se precisar de um super bonder e de ajuda pra colar esses caquinhos todos, tô por aqui, viu?!

    Eu sinto muito. Eu sinto muito mesmo =(

    ResponderExcluir
  13. Imagino que você deva estar dando um tempo daqui, mas queria só deixar um beijinho. Um abraço virtual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, estava dando um tempo, sem vontade de aparecer por aqui. Mas aos poucos eu volto. Bjs

      Excluir