segunda-feira, 4 de julho de 2016

Indiana faz FIV e dá à luz aos 72 anos


Não sei se viram essa notícia sobre uma indiana que deu à luz aos 72 anos. Isso mesmo: 20 anos depois de entrar na menopausa ela conseguiu engravidar por meio de uma fertilização in vitro com um embrião gerado a partir de óvulo e espermatozoide doados. 


A matéria diz que ela sofreu três abortos, entrou em depressão e nunca achou que seria mãe, até que ouviu falar pela primeira vez em FIV. O médico relutou por conta da idade, mas acabou fazendo o tratamento e o bebê, que se chama Arman, nasceu em abril deste ano pesando dois quilos. Inclusive a história circulou na época, pelo que vi, mas só fiquei sabendo nesse fim de semana agora.

Claro, choveram comentários negativos na matéria. Muita gente criticando o absurdo que é uma "velha" engravidar, que o filho vai ficar órfão muito cedo, que é um nojo ela estar amamentando (sim! ela está amamentando), que deveriam entregar o bebê para adoção, só para citar alguns menos ofensivos.

Eu tenho mixed feelings sobre o assunto. No Brasil talvez ela não pudesse ter feito uma FIV, pois por aqui o limite de idade recomendado é de 50 anos, segundo o Conselho Federal de Medicina - a não ser que assumisse, junto com o médico, os riscos de uma gravidez tardia. Uma gravidez de uma mulher com mais de 70 anos implica muitos mais riscos de complicações para a mãe e para o bebê. E me pergunto até onde corrê-los não é uma demonstração de egoísmo. Mas aí vejo a carinha de felicidade dos pais segurando o filho no colo...

A família indiana, agora aumentada com um menino

E só consigo pensar no sofrimento que essa mulher passou durante toda a vida, sonhando em ser mãe, talvez sem acesso a informação ou recursos para fazer uma FIV um pouco mais cedo, enfrentando um processo depressivo, superando perdas dos abortos... Como ela e o marido devem estar felizes e realizados. Foi impossível não me emocionar. Desejo que tenham saúde para cuidar desse pequeno, que vai crescer cercado de tanto amor. E que a gente possa sempre aprender a enxergar o amor antes de qualquer julgamento.

16 comentários:

  1. Q bênção de Deus! É complicado não iniciar a leitura com certo preconceito e estranhamento ne, mas de fato a cara deles de alegria é contagiante. E sem dúvidas foi da permissão de Deus!
    Bju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Aninha. Tive a mesma sensação que você. Bjs

      Excluir
  2. Pode ser polêmico pra muitas pessoas, mas basta ter coração para enxergar nesse sorriso o real motivo dessa maternidade. Eu teria orgulho de ser filha dela, saber que fui tão planejada e tão querida, claro que iria desejar que ela fosse mais jovem; mas se ela só pode agora e se conseguiu quem sou eu pra criticar? E com a experiência de vida com certeza será uma mãe melhor que eu aos 22. Amei o post! Excelente!

    Beijos.

    Blog Jovens Mães

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Bruna, obrigada. Pensei o mesmo que você: que alegria para essa criança saber que foi tão desejada. Vou conhecer o seu blog. bjs!

      Excluir
  3. É muito preconceito e julgamento sem se colocar no lugar do outro. Somente quem passa muito tempo lutando que entende, que realmente sabe! Fico feliz que ela pode realizar esse sonho!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisamos de mais empatia nesse mundo. Bjs, Deh!

      Excluir
  4. Olha, também tenho mixed feelings about it.
    Sem dúvida que o bebê está cercado de amor e que eles (os pais) estão realizados e felizes.
    Minha preocupação diz respeito à idade do casal, mas aí eu me lembro de que a vida é isso aí: basta estar vivo para morrer, e então eu volto ao ponto zero desse ciclo de dúvidas e argumentos sobre o caso.
    Só sei que não sou eu quem vai julgar a moça. Que ela e a família esbanjem saúde e sejam muito felizes.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro. Depois fiquei pensando que se essa mulher conseguiu engravidar (mesmo que com óvulo e sptz doados) aos 72 anos e está amamentando, ela deve ter uma baita saúde. Tomara! Bjs

      Excluir
  5. Eu realmente não achei nada demais. Claro, essa criança ficará orfã cedo, mas quem não corre o risco disso na vida? Em compensação será cercada de amor o tempo todo em que tiver seus pais por perto. E imagina a felicidade dessa mãe em gerar uma criança, depois de sofrer uma vida toda achando que nunca seria capaz?
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela deve ter sofrido muito, toda uma vida acompanhada desse fantasma. Mal consigo imaginar a alegria pela realização dela. Bjs!

      Excluir
  6. Olha... entendo o mixed feelings... realmente, ela deve ter lutado muito para ter o filho, mas fico triste pela criança que pode acabar perdendo os pais muito nova... mas a vida é uma caixinha de surpresas.... vai que ela vive até os 100 anos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Fran. Vamos torcer! Demonstração de uma boa saúde ela já deu ao conseguir engravidar e amamentar.

      Excluir
  7. Tem os dois lados né?
    Razão e emoção...é difícil opinar, mas mesmo assim...não deixa de ser linda a realização de um sonho.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra mim nesse caso a emoção falou mais alto <3
      Bjs!

      Excluir
  8. Olha, depois de tudo o que passei e ainda acho que vou passar nessa vida, principalmente em relação a maternidade, não me atrevo a levantar nenhum questionamento sobre o caso acima.
    Se fosse em outra época, certeza que já teria minha opinião "formadinha". Hoje vejo que só quem passa por uma determinada situação sabe avaliar o porquê de suas atitudes ou palavras.
    Saúde, paz e muitas alegrias para essa família! A felicidade está estampada no rostinho deles, e é o que importa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, tem razão. A gente vai aprendendo com o tempo. Se tem uma coisa que eu aprendi nesse tempo todo de tentativas é que a gente nunca, nunca mesmo, sabe o que o outro está enfrentando. Então temos que procurar praticar a empatia e ter sensibilidade sempre.

      Excluir