terça-feira, 10 de maio de 2016

E agora, José?

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?

Agora eu estou perdida. Não tenho vontade de fazer nada: saio para trabalhar porque não tenho alternativa e passo o dia esperando o momento de voltar para casa, torcendo para que o trânsito colabore hoje, só hoje, para eu poder chegar mais cedo. No sábado, me forcei a sair de casa. Pastel na feira, um programa que eu geralmente adoro, mas eu só queria ir embora.

Fica martelando na minha cabeça o que nosso médico falou. Com todas as palavras ele sentenciou que, sim, eu tenho falência ovariana precoce. Não é somente uma baixa reserva: meu ovário direito está quase falido e o esquerdo produz cada vez menos óvulos com qualidade cada vez pior. E é só ladeira abaixo... Ele nos aconselhou a pensar na possibilidade de ovodoação. Por que será que vale a pena continuar insistindo com esse sofrimento todo, ele questionou.

Mas para mim ainda vale. A ovodoação é uma opção maravilhosa que ajuda muitas mulheres a realizarem o sonho de ser mãe. Se eu produzisse óvulos excedentes, eu optaria por doá-los, sem pestanejar. Mas essa ainda não é uma alternativa que quero considerar. Digo que ainda não é porque pode ser que se torne, no longo ou até no curto prazo, mas por enquanto não.

Nosso médico falou conosco na segunda e pediu que pensássemos e ligássemos pra ele na terça. Como se fosse simples tomar uma decisão dessas - ovodoação ou desistir de tentar - de um dia pro outro. O que aconteceu? Eu não liguei. E comecei a pensar em alternativas.

Recebi a indicação de um médico de São Paulo, sobre o qual já tinha lido na internet e que me foi sugerido por outras tentantes também. Ele é de uma clínica famosinha, tida como referência na América Latina. Ontem conversei com ele pelo telefone. Contei nosso caso e ele se colocou à disposição para ajudar e nos atender lá. Decidimos que vamos para uma primeira consulta, conhecê-lo e ver o que nos sugere.

No telefone ele falou duas coisas que ajudaram a dar uma animadinha:
  1. Biópsia do embrião. Nosso médico atual não mencionou essa possibilidade. O médico paulista disse que, no meu caso, de sucessivas implantações negativas, ele recomenda. Saber se geramos embriões geneticamente normais ajuda a entender o sucesso e o fracasso da implantação. Ainda preciso pesquisar mais sobre isso, mas, se há uma forma de investigar o porquê de tantas falhas, eu quero usá-la.
  2. O médico paulista também comentou que meu anti-mulleriano é baixo, mas ainda permite alguma "manobra", nas palavras dele. E que as mulheres da minha idade (33), ainda jovens, têm mais chances de sucesso mesmo com a baixa reserva e a má resposta ao estímulo.

Ou seja, talvez haja uma luz no fim desse túnel. Não há nenhuma garantia, pode ser mera teimosia, maluquice, ilusão insistir na FIV. Mas a verdade é que a única coisa que me deixa menos triste é pensar na possibilidade de tentar mais uma vez e, dessa vez, dar certo.


22 comentários:

  1. Olá querida! Sobre a biópsia do embrião eu já ouvi falar. Custa um valor um tanto salgado mas e muito importante para analisar a qualidade do embrião. Ou seja, antes mesmo de implantar você já sabe quais as chances reais de o embrião vingar.
    Você está certa, tem que buscar uma segunda opinião....as vezes os médicos aplicam os mesmos protocolos para todas as pacientes. Eu acho q cada caso é um caso!!
    Boa sorte amiga!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já ouvi que é caro e nem tenho ideia do valor. Mas tenho esperança de que esse médico possa ter um pouco de compaixão por um casal que já fez quatro FIVs e ofereça algum desconto ou facilitação do pagamento. É duro ter que lidar com tanta coisa e ainda ficar preocupada com dinheiro, dívidas... mas todo o investimento há de valer a pena. No caso, será a quarta opinião =S Obrigada pela torcida. bjs!

      Excluir
  2. Isso mesmo. Persistência! =)
    Achei mesmo muito precipitado o médico dizer para ligar no dia seguinte ¬¬ Vá nessa consulta e veja o que você acha desse médico novo, né? Quem sabe?

    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, nós vamos sim. Ir à consulta não custa (quer dizer, custa uma viagem pra SP, mas como moramos no RJ, dá para ir de ônibus e ficar na casa de amigos). Bjs

      Excluir
  3. Se há a possibilidade de uma outra opinião que seja ouvida, então. Acredito que assim você realmente esgotará todas as possibilidades pra depois decidir o que fazer. Torcer que dará tudo certinho. <3

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Acho que se "contar ponto" a torcida pela segunda opinião...já será certa essa consulta.
    Eu estou na investigação da possível demora, mas se eu não gosto...ou ouço falar de outro medico e eu tenho a possibilidade de ir...eu vou!
    Busque novas opiniões!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que no caso vai ser a quarta opinião... Fico achando que pode ser ansiedade demais, mas escutar o médico não quer dizer fazer o tratamento com ele, né? Bjs e obrigada pela torcida de sempre

      Excluir
  5. Olá, querida!
    Minha história é muito parecida com a sua. Será que poderíamos trocar algumas figurinhas? Você poderia me passar seu e-mail?
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, Ana. Escreve para barrigapositivablog@gmail.com
      bjs

      Excluir
  6. sempre é válido ir atrás de uma segunda opinião e se for o caso ate´de uma terceira.Não desanima não,pq ainda há esperanças!

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Antes de tudo um super abraço.
    Estou daqui, mandando as melhores energias, que é o que consigo fazer a distância.
    Tenho uma amiga querida que engravidou com ovodoação. Se você se decidir por isso, posso mandar o endereço do blog dela e/ou colocar vocês em contato, se você quiser, claro.
    Até lá que você encontre a paz de que precisa para tomar as decisões fieis a seus sentimentos e vontades.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida. Me manda sim o blog dela para eu conhecer. Beijos

      Excluir
    2. Oi, oi. Recebeu minha mensagem? Mandei por email.
      bjs

      Excluir
    3. Recebi sim, obrigada. Acabei de te responder. Bjo

      Excluir
  8. Tem baby frozen para fazer essa biopsia?

    Puxa também ne senti animada lendo sobre esse novo médico... hummm que sabe o ar de são paulo de faça bem!! rrsrs...

    torcendo e tenho fé que seu sonho vai acontecer!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não temos frozen, Andie... com a baixa reserva ovariana não produzo óvulos excedentes. Então pra biópsia teria que fazer novo procedimento de FIV mesmo... estamos pensando. Obrigada! bjs

      Excluir
  9. Ahh fico feliz em saber que estão buscando novos ares!
    Esse novo médico parece ser mais sensível e aberto a alternativas =)
    Já tem data? Sigo na torcida!
    bjss

    ResponderExcluir
  10. Oi, meu médico já me falou desse estudo genético do embrião nos casos de falhas de implantação, acho muito válido fazer. É um valor que compensa pagar a mais. Qual o valor do seu anti-mulleriano? Vc consegue normalmente ter quantos embriões? Vi mulheres terem sucesso com números bem baixos. Com certeza com a sua idade há muitas chances de engravidar com os próprios óvulos.Acho muito válido trocar de médico. Tente sim, vai dar certo. Vc pode dizer o nome da clínica de São Paulo? Na torcida!!!Beijos, Ptt

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, te respondi no seu blog, meu anti-mulleriano é 0,99 (exame de 2014), hoje já deve ser um pouco mais baixo. O máximo de embriões que consegui nos quatro ciclos de FIV que fiz foram dois... Manda um email pra barrigapositivablog@gmail.com ou me dá seu email que te falo o nome da clínica. bjs

      Excluir